Instituto Não Aceito Corrupção lança campanha com pautas legislativas

A entidade publicou uma petição na internet na qual lista 12 prioridades

O Instituto Não Aceito Corrupção lançou no sábado (9) uma campanha para defender a adoção de medidas para fortalecer o combate à corrupção no país.

A entidade publicou uma petição na internet na qual lista 12 prioridades, como o fim do foro privilegiado, a limitação a mandatos consecutivos no Legislativo e o fim da vitaliciedade para os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), com a instituição de mandatos para os integrantes da corte.

De acordo com o instituto, essas medidas podem ser concretizadas por meio da aprovação de PECs (propostas de emenda à Constituição) ou de projetos de lei que já estejam em trâmite no Congresso ou mediante a apresentação de novas pautas ao legislativo federal.

Compareceram ao lançamento da campanha o advogado e ex-deputado federal Hélio Bicudo, o professor aposentado da Faculdade de Direito da USP Modesto Carvalhosa, o professor titular aposentado do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp Roberto Romano e o ex-juiz e professor de direito penal Luiz Flávio Gomes.

Na petição, intitulada “Pacto de Empoderamento da Sociedade Brasileira no Combate à Corrupção”, a entidade pede a aprovação da PEC 333/2017, em tramitação na Câmara dos Deputados e que já foi aprovada pelo Senado, para limitar o foro privilegiado de autoridades.

Segundo o texto do instituto, “o foro privilegiado fere o princípio da isonomia constitucional e tem sido fonte inesgotável de impunidade no Brasil”.

No campo jurídico, o instituto pede ainda a criação de um fundo nacional de combate à corrupção, a criminalização do caixa dois, o efetivo cumprimento de penas após decisões de segunda instância e a criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos.

 

PAUTAS POLÍTICAS

A respeito do tema das cadeiras no Legislativo, a entidade defende que se limite a dois o número de mandatos consecutivos no mesmo cargo, e propõe a apresentação de uma PEC para implementar essa restrição.

“O enraizamento no poder desrespeita a essência da República e cria condições propícias para o clientelismo e o compadrio”, de acordo com o texto da petição.

Em relação a tribunais de contas, o manifesto requer o fim de indicações políticas para as cortes.

“Os tribunais de contas são órgãos importantes de auxílio ao Legislativo e ali têm sido verificados muitos abusos”, aponta o instituto.

Na área política, a entidade da sociedade civil também defende a adoção do voto distrital, maior transparência nas prestações de contas partidárias e a vedação de legenda aos políticos conhecidos como fichas sujas.

Social Media - Compartilhe Dicas, Informação, Viagens e Saúde

Postagems importante

thumbnail
hover

Assim foi visto o eclipse lunar...

É assim que o eclipse lunar total foi visto em diferentes cantos do mundo Durante a noite de sexta-feira, 27 de julho, um dos fenômenos m...

thumbnail
hover

Brasil tem recorde de assassinatos em...

Brasil tem recorde de assassinatos no campo em 2017, mas só dois casos são esclarecidos 57 ativistas que lutavam por terra ou defesa do me...

thumbnail
hover

A Gestação de uma gata

Gatos e cães são, sem dúvida, os animais de estimação mais próximos do homem, especialmente felinos que vivem com ele desde tempos i...